Deixe um comentário

A guerra do ALA

O escritor António Lobo Antunes (ALA) também foi combatente em Angola no período entre 1971 a 1973, como tenente médico. Há uns tempos atrás deu uma entrevista onde abordou a sua participação na guerra e alguns excertos dessa entrevista foram inseridos num dos seus livros, o que tem motivado o vivo repúdio de muitos ex-combatentes. Vejamos o que ele declara:
“No meu batalhão (em Angola) éramos 600 militares e tivemos 150 baixas.Era uma violência indescritível (…) Eu estava numa zona onde havia muitos combates e para poder mudar para uma zona mais calma tinha de acumular pontos.(…) E para mudar, fazíamos de tudo, matar crianças, mulheres, homens. Tudo contava, e como quando estavam mortos valiam mais pontos, então não fazíamos prisioneiros.”

A Liga dos Combatentes (LC) interpretando o sentimento da grande maioria dos ex-combatentes, através do seu presidente dirigiu a ALA a seguinte carta aberta:

“Ao longo dos anos fomos formando uma ideia do médico, função que exerceu em campanha, depois cidadão escritor António Lobo Antunes.

Mais Memoria de Elefante menos Memória de Elefante mais Cu de Judas menos Cu de Judas, o livro que nos tocou não foi seu, foi de suas filhas e transcreve as cartas que escreveu a sua mulher, algures das terras do fim do Mundo, em Angola, onde uma guerra marcava a sua juventude.

As cartas são dignas e escritas com honestidade, por um jovem médico que não pelo escritor António Lobo Antunes, de hoje, em que a idade vai pesando, e os factos da juventude vão surgindo menos claros, romanceados e ficcionados.
A leitura daquele livro levou-nos a convidar o reconhecido escritor para proferir a oração que anualmente uma distinta figura do nosso tempo faz na sala do capítulo no Mosteiro da Batalha, no dia do Combatente, a 9 de Abril.

Após conversa pessoal onde foi possível auscultar a sua admiração por diversos militares que ao longo da sua vida consigo conviveram e transmitida a finalidade da intervenção, o convite foi aceite. O discurso na sala do capítulo em Abril de 2007 foi proferido por António Lobo Antunes.

Foi uma intervenção oral, não escrita, à altura de uma grande figura da literatura portuguesa.
Depois de lermos afirmações suas, referentes ao comportamento dos portugueses em África, colocámos esta sua frase no site da Liga dos Combatentes: – “na guerra é necessária muita coragem e essa os soldados portugueses tinham”

Fomos entretanto recentemente surpreendidos por envio de e-mails e comentários altamente negativos, por parte de combatentes idóneos, referentes a eventuais declarações suas, proferidas em entrevista publicada, que se não coadunam com a imagem que entretanto fomos formando acerca de como encarou a situação de guerra vivida.
As reacções de combatentes a essas afirmações são inúmeras, na internet e não só, exigindo -lhe que se retrate.

Conhecedor do ambiente operacional em Angola, o que lemos deixou-nos surpreso e incrédulo.
Terá afirmado segundo o entrevistador:

“«Eu tinha talento para matar e para morrer. No meu batalhão éramos seiscentos militares e tivemos cento e cinquenta baixas. Era uma violência indescritível para meninos de vinte e um, vinte e dois ou vinte e três anos que matavam e depois choravam pela gente que morrera. Eu estava numa zona onde havia muitos combates e para poder mudar para uma região mais calma tinha de acumular pontos. Uma arma apreendida ao inimigo valia uns pontos, um prisioneiro ou um inimigo morto outros tantos pontos. E para podermos mudar, fazíamos de tudo, matar crianças, mulheres, homens. Tudo contava, e como quando estavam mortos valiam mais pontos, então não fazíamos prisioneiros»

A um médico nunca ninguém pediu ou ordenou que tivesse talento matar ou para morrer, Deram-lhe sim a missão que exigia de si, talento para salvar vidas. Dos seus homens ou do inimigo

Afirma que o seu batalhão teve cento e cinquenta baixas. O seu batalhão esteve numa zona operacional mas de confrontos esporádicos com o inimigo, Mesmo em zonas de actividade mais intensa do inimigo, não temos conhecimento que algum batalhão em Angola tivesse tido esse número de baixas, mesmo considerando o significado que tal palavra normalmente encerra: mortos, mais feridos, mais evacuados por doença.

A não ser que por baixas, entenda o número de consultas que deu…

“Matavam e depois choravam a gente que morrera”
Senhor Doutor António Lobo Antunes, o senhor viu algum dos soldados do seu Batalhão matar alguém?

Viu alguém chorar por ter morto alguém?

Um dia escrevi sobre o inimigo: “ O inimigo não se vê, sempre que pode atira”. E nós atirávamos geralmente sobre um inimigo que não se via!…

Em combate morre-se de ambos os lados! A maior parte das vezes. em guerra de guerrilhas,, sem saber bem como.
Choraram certamente os camaradas que caíram a seu lado. Mas felizmente não tantos como o senhor afirma terem caído no seu batalhão.

Seguidamente as afirmações são insultuosas, completamente fora te todo o conceito estratégico e filosofia humanista com que se tentou fazer a guerra, durante os treze anos que durou.

Deixa, para além disso, bem mal colocados os militares que serviram com dedicação e espírito de sacrifício, a missão que lhes foi atribuída, quer no seu Batalhão, quer no resto de Angola, entre eles o seu amigo Melo Antunes.
De facto, afirmar que “ para mudar para uma região mais calma tinha de acumular pontos” e “para mudar fazíamos de tudo, matar crianças, mulheres e homens” ou “ mortos valiam mais pontos, então não fazíamos prisioneiros”, embora use a primeira pessoa do plural, é ter estado sempre, como acontece a qualquer elemento do serviço de saúde, fora da conduta da guerra.

Para quem esteve em Angola, na guerra, estas expressões ofendem

Nunca, em Angola, nenhum Batalhão mudou de situação, quer para situações mais calmas quer para situações mais difíceis, como as de reserva de comandos superiores, com base em tais critérios, nem nunca ninguém matou na guerra em Angola, com essa finalidade.
Afirmar “Matar para fazer mais pontos e por isso não fazer prisioneiros”, é maquiavélico, ficção ou necessidade de apoios de sectores de si afastados, ou de conquista de alguém ou de alguma coisa ainda não conquistada.

O senhor, nos seus livros e entrevistas é forte, real e chocante. Revela humanidade, sensibilidade e espírito profundo.

Não necessita de usar formas deturpadoras de uma realidade que o senhor sabe não ter vivido, agredindo a memória dos mortos em tal guerra e a memória dos vivos que conheceram a guerra certamente melhor que o senhor e reprovam, negam e repudiam afirmações como as que foram apresentadas.
Mesmo a ficção é ridícula e perigosa, quando usa desta forma uma hipotética realidade que acaba por se transformar em realidade histórica face à força de quem a usa. A frontalidade e o chocante acabam por apoiar-se em pés de barro que não conduzem o utilizador de tais formas a bom porto.
Em 21 de Agosto de 2010, vimos com curiosidade anunciadas umas férias em Tomar, por parte de António Lobo Antunes onde abordaria o tema “as minhas memórias de jovem militar”

Ficámos expectantes e pensando que tal entrevista seria um esclarecimento das afirmações acima referidas.

Curiosos, a 22 de Agosto consultámos o site da Lusa e verificámos que a sessão se não tinha realizado por ausência de ALA, alegando falta de condições de segurança.

Em declarações posteriores esclareceu que não teria sido aquela a finalidade da ida a Tomar, nem esta a razão da não presença.
Segundo declarações recentes, as afirmações da entrevista, no livro publicado, terão sido mal interpretadas. Considerando que é no meio dos combatentes que deveria esclarecer o que terá dito ou escrito, venho junto de Vª Exª sugerir duas coisas:

1. Que nos faça chegar a síntese escrita da sua intervenção, no Dia do Combatente, no ano de 2007, na Batalha, conforme prometido.

2. Que utilize o espaço da nossa revista ou do nosso dite, para esclarecer, confirmar, negar ou dar a sua interpretação sobre as afirmações que terá produzido na referida entrevista e, se assim o desejar, expressar mesmo as suas “memórias de jovem militar”
Convencidos de que assim contribuímos para o esclarecimento de uma situação que consideramos grave, criada por Vª Exª, no seio dos combatentes que dela tiveram conhecimento, subscrevemo-nos atenciosamente

O Presidente da Liga dos Combatentes

Gen Joaquim Chito Rodrigues”.

A resposta de Lobo Antunes
“Não se desce vivo de uma cruz”
“Tenho o maior respeito pelo presidente da Liga dos Combatentes e só por isso respondo a um assunto que considero encerrado.
Como o senhor general sabe, quando falei no Mosteiro da Batalha em 2007, apontando para o túmulo do Soldado Desconhecido, disse que éramos todos nós que estávamos ali.
Há uma falha no livro porque eu deveria ter dito que cada companhia teve 150 baixas ou que cada batalhão teve 600 baixas, tal como fiz no meu discurso na Batalha. Isto porque um pouco de todos nós, no melhor dos casos, morreu na guerra. Não se desce vivo de uma cruz.
Respondo a V. Excelência, senhor general, pela elegância com que me tratou, apesar de considerar este assunto encerrado. Apenas por má-fé se poderá interpretar de outro modo as minhas palavras e V. Excelência, como ouviu na Batalha, bem o sabe”
António Lobo Antunes

O meu comentário: A resposta de ALA é tão descabida de sentido que o melhor mesmo era ter ficado calado. Assim, falou mas não disse nada. Não disse quem matou, quem mandou matar e onde foram enterrados os corpos. Não disse se as mortes ocorreram a tiro ou à seringa. Não disse quantos pontos valia cada morto, nem onde eram registados esse pontos.

Ficamos a saber que ALA foi um médico militar muito especial, que com certeza nem fez o juramento de Hipócrates, porque em vez de falar da sua nobre missão de salvar vidas fala na morte de inocentes para angariar pontos … Será que os tais pontos eram registados na caderneta militar? Não se terá confundido com a caderneta que à época estava na moda, que era a caderneta onde se coleccionavam os cromos da bola?

O que eu digo aos ex-combatentes é que  este cromo ALA, não tem valor para tomar mais tempo de antena. Eu fico-me com um “ALA que se faz tarde”.

Mário Mendes


Anúncios


6 comentários

Associações de ex-combatentes

Existem diversas associações de ex-combatentes, mas indico apenas algumas mais representativas:

  • ADFA (Associação dos Deficientes das Forças Armadas)
  • APOIAR (Associação de Apoios aos Ex-Combatentes Vítimas do Stress de Guerra)
  • APVG (Associação Portuguesa dos Veteranos de Guerra)
  • LC (Liga dos Combatentes)

No mês de Outubro de 2009 foram pagos os apoios pecuniários aos ex-combatentes, a chamada “esmola” instituída pelas leis 9/2002 e 3/2009. Perante a diminuição desses apoios em relação a anos anteriores, assistimos aos mais diversos comentários individuais. As associações pouco se pronunciaram sobre o tema.

No passado mês de Dezembro, a Liga dos Combatentes publicou um editorial do seu presidente da direcção central, o tenente-general Joaquim Chito Rodrigues, que pode ser lido aqui:  Editorial

Para ler atentamente, meditar e comentar.

Sobre este tema, o DN de hoje publica também um artigo da autoria da AOFA (Associação dos Oficiais das Forças Armadas), que pode ser lido aqui: AOFA

Mário Mendes


Deixe um comentário

Instalações de apoio aos ex-combatentes

Seria bom que pelo menos em todas as  cidades  se arranjassem instalações onde se pudessem instalar valências de apoio aos ex-combatentes, como sejam Casas de Apoio, Centros Médicos de Apoio Psicológico e Social e Lares.

Esta semana, o presidente da Liga dos Combatentes veio a Castelo Branco pedir condições para a instalação desses Serviços nesta cidade, dado que existem condições nas antigas instalações onde funcionou o B.C. 6.

Certamente haverá noutras cidades instalações militares que estão devolutas e poderiam servir para albergar serviços de apoio aos ex-combatentes.

Para conferir esta notícia clique no seguinte link:

http://www.reconquista.pt/noticia.asp?idEdicao=209&id=17821&idSeccao=2217&Action=noticia

Mário Mendes


Deixe um comentário

Contagem do tempo de serviço militar

Para os ex-combatentes que não requereram a contagem do tempo de serviço  militar até 2002, como anteriormente tinha sido legislado, podem agora fazê-lo a todo o tempo, sem qualquer prazo, conforme determina a Portaria nº 1035/2009, de 11 de Setembro.

portaria1035_2009

A Lei nº 3/2009 define a atribuição dos “benefícios” decorrentes dos períodos de prestação de serviço militar em condições especiais de dificuldade ou perigo. O nº 4 do artigo 8º determina o subsídio anual do suplemento especial de pensão:

a) 75 € aos que detenham uma bonificação de tempo de serviço até 11 meses.

b) 100 € aos que detenham uma bonificação de tempo de serviço entre 12 e 23 meses.

c) 150 € aos que detenham uma bonificação de tempo de serviço igual ou superior a 24 meses.

A C.Caç. 3413 teve o tempo bonificado a 100% durante toda a comissão (09/08/1971 a 02/10/1973), pelo que nos cabe o último escalão.

Nota: Faz hoje 36 anos que regressamos a Lisboa a bordo dum Boeing da TAP, terminando assim a nossa comissão em Angola. Depois dos requisitos da praxe efectuados no RALIS, estávamos “livres”.

Mário Mendes


Deixe um comentário

Projecto de Resolução nº 527/X

O Movimento Cívico de Antigos Combatentes entregou no dia 22 de Janeiro de 2009 uma petição na Assembleia da República com 12 mil assinaturas para,  até 2012, trasladar os corpos dos militares portugueses mortos na guerra do ultramar. A petição foi debatida na AR em 3 de Junho de 2009, da qual resultou o projecto de resolução aprovado em 3 de Julho de 2009, que se segue:

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 527/X (4.ª) SOBRE A TRANSLADAÇÃO PARA PORTUGAL DOS RESTOS MORTAIS DOS MILITARES MORTOS NA GUERRA DO ULTRAMAR

Milhares de portugueses combateram por Portugal no Ultramar. Uma guerra que ainda hoje mantém feridas abertas entre portugueses, e entre o poder político e inúmeros ex-combatentes. Não queremos contribuir para essa crispação e por isso mesmo mantivemos, ao longo dos anos, um papel promotor do diálogo e da não confrontação, auxiliador de pontes entre o Ministério da Defesa e aqueles cujas condições de vida mais se deterioraram desde a guerra em África. Segundo a Liga dos Combatentes, que tem feito um trabalho exaustivo, procurando nunca abandonar os familiares daqueles que morreram em África, Portugal sofreu durante a guerra, entre 1961 e 1975, cerca de 9500 baixas. Perto de metade estão sepultados nas zonas de combate. São 3715 os militares que têm estado a ser alvo de acções de localização e identificação, tendo a Liga dos Combatentes calculado que, em Angola e Moçambique, estejam cerca de 3000 combatentes sepultados, na Guiné-Bissau perto de 800 e que 40% sejam do recrutamento metropolitano e 60% do recrutamento local. Deste mapa, importa clarificar que existem casos em que se conhecem as localizações dos corpos sepultados, e outros cujo paradeiro é desconhecido. Nas localizações conhecidas, há militares identificados e não identificados, sendo que em ambos os casos há sepulturas de militares do recrutamento metropolitano e do recrutamento local. Dos cerca de quatro mil militares cujos restos mortais se encontram em territórios de combate, a maioria encontra-se em cemitérios indignos e num estado de abandono. Alguns são actualmente locais de despejo de resíduos, noutros casos há construção de casas por cima das campas e até a abertura de estradas, para além dos problemas de tráfico de lápides e de ossadas. O cenário não dignifica em nada a memória daqueles que serviram Portugal. Apenas contribui para a crispação do ambiente entre as suas famílias e o Estado português que em tempos serviram. Portugal tem a obrigação de fazer todos os esforços para dignificar os seus militares que, no cumprimento do seu dever, morreram longe do seu país e das suas famílias. Quer a Liga dos Combatentes quer o Movimento Cívico de Antigos Combatentes, estes últimos promotores de uma petição à Assembleia da República que reuniu mais de 12 mil assinaturas, têm feito um trabalho altamente meritório no que toca a este tema tão sensível. Assim, e tendo em conta a sua especial importância para a dignificação de Portugal e da Defesa Nacional e em nome de todos aqueles que morreram pelo país, a Assembleia da República recomenda ao Governo:

1. Apoiar – com meios humanos, financeiros e técnicos – o trabalho da Liga dos Combatentes e dos movimentos da sociedade civil para que prossigam o seu trabalho no terreno na recuperação de cemitérios e talhões até que os objectivos estejam concluídos;

2. Colocar como objectivo nacional da Defesa Nacional o acompanhamento deste trabalho, bem como facilitar, quando possível, o retorno dos restos mortais dos militares a Portugal e às suas famílias, dignificando-se o Estado e a memória colectiva dos portugueses.

Palácio de São Bento, 3 de Julho de 2009. Os Deputados do CDS-PP: Paulo Portas — Diogo Feio — Hélder Amaral — António Carlos Monteiro — Teresa Caeiro — Abel Baptista — Telmo Correia — João Rebelo — Pedro Mota Soares — Nuno Teixeira de Melo — Nuno Magalhães.


Deixe um comentário

Castelo Branco – Monumento aos combatentes

Os combatentes portugueses têm monumentos espalhados pelo país para os homenagear. Em Castelo Branco desde 1924 que existe um monumento aos combatentes da grande guerra. Este monumento tem estado no talhão dos combatentes existente no cemitério local,  e foi em 15 de Dezembro de 2007 mudado para uma rotunda no meio da cidade, cerimónia que contou com a presença do Presidente da Direcção Central da Liga dos Combatentes,  Gen. Joaquim Chito Rodrigues, um albicastrense, comemorando-se também na mesma data o 84º aniversário do Núcleo de Castelo Branco da Liga dos Combatentes.

O Monumento ao Combatente, representa a estilização dum dólmen (primeiros monumentos que a humanidade levantou aos mortos). Contém inscrição em relevo de quantos portugueses morreram nos campos de batalha pelo engrandecimento e defesa da Pátria.

Nas faces estão gravados os nomes de doze batalhas: Ourique, Salado, Atoleiros, Aljubarrota, Valverde, Ceuta, Cercos de Diu, Montes Claros, Bussaco, Marracuene, Cumato e La Lys. Nos cunhais sobre os capitéis dos colunelos estão as esferas armilares. Ao centro das faces maiores, as cruzes de Cristo.

cb_comb_ultramar

O discurso que o Gen. Chito Rodrigues proferiu na ocasião,  pode ser lido neste link:

inauguracao_monum_castelo_branco

(Mário Mendes)