HISTÓRIAS E MEMÓRIAS DA C. CAÇ. 3413 (II)

3 comentários

A noite tinha passado quase sem se dar por ela. A excitação, embora disfarçada, era bem sentida por todos. Estava tudo ansioso e sentíamos uma mistura de sentimentos, que iam da ansiedade, da expectativa, à vontade de partir quanto antes à procura do desconhecido e da aventura, tão pródigas nestas idades… Madrugada dentro e há hora combinada, estava já toda a malta montada nas viaturas, novinhas em folha, tal como nós, as armas, os camuflados, tudo…Tudo “maçaricada”. Ainda era noite cerrada quando é dada a ordem há muito esperada, e um frio interior que certamente não seria só frio, nos invade, mas …Há sempre um mas. O que nos espera? Para onde vamos? O que será a nossa vida daqui para a frente? Será que vamos e voltamos? E é dada a ordem de “PARTIDA”! Bala na câmara e lá arrancamos nós rumo ao desconhecido.

Passados os postos de controlo que circundavam Luanda, entramos, ainda de noite, nas estradas angolanas ainda mais para Norte. E passados dois dias de muita ração, muito calor, muitos kms e quilos de pó, chegamos ao Colonato do Vale do Loge! Embora fôssemos pela “auto-estrada”, os nossos “Mercedes” não passavam dos 53 Kms/hora, e não podia ser a subir. Como é normal e fruto da inexperiência, eu, e julgo que os demais graduados, seguíamos” garbosamente”ao lado do condutor, como “chefes de viatura”… Situação que se alterou logo com o início das hostilidades, e o tomar de consciência da situação…Eu seguia ao lado do condutor, o Giesta! Um Açoreano alegre e sempre pronto para a brincadeira, que já era e continuou a ser o meu condutor”privativo”. Por onde andas rapaz…Se leres estes rabiscos, ou não, entra em contacto connosco…

Assim que chegámos ao Loge, das primeiras coisas que fiz, foi dar um corte enorme no cabelo, vulgo “carecada. Tão grande e tão saborosa que ainda hoje a mantenho…Um bom banho, almoço e umas “bejecas”. Ida ao civil comprar umas coisas de última hora, e com o aviso de ser esta a última oportunidade de compras. Daqui para a frente era só mato. Umas camisolas negras, porque mesmo sujas com tanto pó não se notava tanto, e um lenço tipo cow-boy para comer menos pó. O Vale do Loge era uma povoação praticamente só com uma rua, pelo menos é do que me lembro, e tinha dum lado e doutro umas casas bem engraçadas, tipo colonial, e bem espaçadas entre si. Tinha população nativa e civis brancos, além do pessoal militar. Resumindo, era bom. Um luxo. Aqui ia ficar um pelotão, o 3º, mais o pessoal da secretaria e demais “aramistas”. Outro, o 4º, iria para Quimaria. Os outros dois iam para “Cleópatra”! Vocês já viram bem o nome? “C L E Ó P A T R A”. Como hierarquicamente tínhamos direito a escolher, 1º e 2º pelotão, “cientes” e atrás da magnitude do nome…lá fomos nós. E logo a seguir fomos em coluna até ao “TOTO”, onde nos esperavam alguns companheiros da C. Caç. 1311, com quem estivemos juntos na Cleópatra e na Cecília, até voltarmos a Luanda. Daqui seguimos finalmente para a Cleópatra onde iríamos ficar uns tempos!

E a nossa chegada foi apoteótica! Para a rapaziada que já lá se encontrava, além da 1311 estava também a C. Eng. 2579, foi dia de festa. Era dia de chegar maçaricada, caras novas, novidades, o que pouco tempo depois confirmámos que fosse o que quer que fosse que quebrasse o quotidiano, era sempre motivo de celebração… Para nós era o” início do princípio do fim”…e o 1º contacto com o “Mato” e com o vasto sertão Angolano. E confesso que fiquei agradavelmente surpreendido! A paisagem era de sonho, e a cidade “fantástica”! Só que em vez de Faraós e belas Egípcias, de todo o lado apareciam barbudos e guedelhudos, meio vestidos com um simples calção a tapar as partes ou uma mistura de civil com fardas. Uns de botas, outros de sapatilhas, outros de chinelos…“Uma impecável bandalhice”.

O nosso exército, sempre zeloso por nós e pelo nosso conforto, atribuiu-nos um dos muitos “Palácios” que ali foi montado. Este ficava bem localizado e desfrutávamos duma vista magnífica sobre os arredores. Era composto por uma só divisão mas soberba, até na sua assimetria, e certamente que qualquer “Sultão” não desdenharia…Sabedores do nosso desconhecimento de tudo aquilo que nos rodeava, e prevendo qualquer fobia ou medo de estarmos sós, precavidamente colocaram-nos, todos, os 2 Alferes mais os 6 Furriéis no dito “Palácio”, que militarmente era conhecido por “8P” (tenda cónica para oito pessoas). Como se vê as contas eram pensadas ao milímetro. Nós é que nem um milímetro para qualquer dos lados podíamos pender, sem correr o risco de cair em cima do que estivesse ao lado. Como o terreno não era plano, os que se encontravam lateralmente deitados, passavam a noite a pender para o lado…E as camas! “Puro chão africano”, amaciado com um colchão tipo praia do mais confortável que se possa imaginar! Ortopédico puro e Ideal para endireitar a espinha.

O nosso trabalho consistia em fazer protecção à C. de Eng., e todos os dias lá marchávamos ao som dos motores dos burros do mato, no meio duma nuvem de pó. Mas pó mesmo do bom! No princípio era uma zona de alguma mata e muito capim, mais alto que qualquer de nós. E para nossa protecção e mais fácil detecção do I.N., à medida que íamos avançando, íamos-lhe deitando fogo. E aí estavam as célebres queimadas no seu esplendor! Kms e Kms de capim a arder…só visto!

Calhava á vez um Grupo de combate ficar na frente durante a noite para defender as máquinas. Estas ficavam no alto dum morro e garanto-lhes que não era nada agradável…Duma dessas vezes, com o meu Pelotão, o 1º, foi, por castigo, um rapaz conhecido por Bombeiro da 11. Chegada a noite, que era a parte pior, dividimo-nos em pequenos grupos e cada um colocou-se no melhor sítio para passar a noite e no caso de chatice, defender-se o melhor possível. O capim já tinha ardido, mas á mais pequena brisa, lá se reacendiam pequenos focos, que vistos ao longe pareciam lanternas que alguém acendia para ver o caminho. Víamos turras por todo o lado. E nós á rasca. Ainda para apimentar mais a coisa, logo no sopé dum dos lados do morro começava uma mata fechada atravessada por um riacho. Era desse lado que estava o grupo do Bombeiro. E sempre que lhe calhava estar de sentinela e sozinho, era fogachada que fervia. Lá íamos a rastejar ter com ele que garantia ouvir e até ver movimentos estranhos e daí abrir fogo. Foi um desassossego toda a noite! E a conclusão a que chegamos, já madrugada alta e depois de uma noite de pesadelo, que, do que o nosso homem precisava era de companhia. Bem, até os valentes também têm os seus dias, e é como vulgarmente aparece escrito nas casas de banho: “Aqui todo o cobarde faz força e todo o valente se caga”…

Joaquim Alves

3 thoughts on “HISTÓRIAS E MEMÓRIAS DA C. CAÇ. 3413 (II)

  1. Caro companheiro, vejo que no teu “disco rígido” está armazenada muita informação e felizmente para ti e para todos nós ele funciona ainda muito bem … Há alentejano duma figa !!! Olha que temos outro, de Évora, o Oliveira, que segundo diz o Sampaio escreveu muito durante a comissão, vamos esperar que ele comece a debitar cá para fora as suas memórias. Bem fomos enganados atrás da “Cleópatra”, mas depois veio a “Cecília”. Um abraço para todos. Recordar é VIVER!

  2. Parabéns ao novo repórter, o companheiro Joaquim Alves, pelas suas memórias bem frescas e temperadas.

    De facto, no Colonato do Vale do Loge ficou o 3.º grupo do Igrejas, mais alguns especialistas onde me incluía eu (transmissões), enquanto a secretaria e alguns especialistas ficaram sim, no Toto, e o resto da companhia rumava à Cleópatra (de onde depois seguiu para a Cecília) e o 4.º foi para Quimaria.
    O Loge era, de facto, “um luxo” e um paraíso em contraste com o inferno da Cecília.
    O posto de rádio, a enfermaria e a casa do capitão (que vivia com a mulher e o filho) eram no ponto mais alto e com uma bela vista, enquanto o resto do pessoal alojava nas vivendas estilo colonial, que tinha sido abandonadas em 1961 e ainda ostentavam nas paredes os restos das flagelações e da ocupação pela UPA.
    Recordo-me do Rio Loge, que corria na direcção de Ambriz, onde entrava no mar, das belas paisagens à sua volta, de que guardo algumas fotografias, da piscina (verdadeira), da sanzala, das belas lavadeiras que tínhamos, e do caçador que nos vinha vender carne fresca.
    Aqueles que tinham posses almoçavam e jantavam no restaurante do branco, que era também o centro comercial.
    Foi pena termos ficado tão pouco tempo!

    Todavia, foi no Loge que participei em duas das saídas operacionais que mais me marcaram durante toda a comissão. Uma foi quando assaltámos uma tabanca no mato, entretanto evacuada, que deixámos a arder, e a outra foi a perseguição a uma grupo que tinha roubado uns sacos de café na fazenda e que depois abandonou na fuga.

    Um abraço e até ao próximo encontro de confraternização, que está para breve.

    José Sampaio

  3. Sampaio. Comecei por dizer que ia tentar coordenar todos os factos o melhor e mais correto possível. Sinceramente, não tinha idéia dos nossos “Secretários” terem ficado no Toto. Aventaram connosco para o mato como bem sabes…e esta gaita da idade vai deixando marcas e levando recordações. Obrigado pelo teu reparo, porque só com todos é possível reconstituir “quase” tudo.
    Aquele abraço

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s